19 julho 2007

A música moçambicana está prostituída


Demorou mas já é uma realidade “a música moçambicana está prostituída”

Sinceramente falando só em moçambique isto pode acontecer…

Sou jovem mas vou desabafar de tanto cansado de ser humilhado.

Assistimos nos últimos dias a uma verdadeira humilhação, ou melhor um verdadeiro atentado à cultura nacional com espectáculos musicais obscenos, desrespeitosos, que violentam nossa mente, mas o pior é que nós ainda pagamos por isto…

O grande dilema são as composições e performances de certos artistas (repito artistas) da praça.

Só para citar algumas referências:

Dama do Bling
Ela consome maior parte das letras tentando se justificar ao povo pelos seus feitos absurdos, desnecessários e sem cabimento algum; Rapper de voz indiscutível (quanto a mim)… Afirma que largou o diploma da UEM para se dedicar à música… Só um recadinho “De Jurista ela só tem o Diploma”.
Esta menina provavelmente provém de uma família abastada, financeiramente estável, tanto é que recentemente comprou um esposo. Isto tudo faz dela uma menina mimada, que desconhece a realidade do país; artisticamente ela está mais para uma Streep Teaser do que propriamente cantora…

Quem poderia dizer que esta Sra é Jurista se ela não dissesse a alguém?

Valdemiro José
É a prova viva de que aqui só canta quem pode… actualmente esposa da Bling provou em pleno Fama Show que música para ele nem na próxima encarnação, porém hoje aparece em grandes palcos e com uma arrogância que se lhe desconhecia “eu sou o tal”. Foi o pior no fama Show, este programa também muito mal pensado e executado com absurdos critérios de selecção… meu Deus… este é mesmo um país do FAZ DE CONTAS.

Este menino casou-se sem saber com quem muito memos porquê, pelo menos sabia para quê “Brilhar nos grandes palcos!!!!” que sonho minúsculo;

Mc Roger
Estranhamente de um dia para o outro virou músico; suas músicas dedicam-se a polir gente de elite, e fazer propaganda do seu guarda-fato… em entrevistas demonstra muita arrogância e vontade de ser o bem amado... se tivesse que mudar de nome o mc se chamaria “EU”… falta-lhe maturidade e humildade hà muito que não faz parte de seu vocabulário.

Lizha James
Quanto a mim a melhor voz do país… ridiculamente saiu do Góspel para o “PANDZA”. Tenta ao lado do Bang reproduzir o sucesso dos Norte-Americanos Jay-Z e Beyoncé… descobri que a Lizha não sabe o que ela vale. Amigos a Lizha canta muito eu a conheço de perto….

Azagaia
Eu nem gosto de HIP-HOP mas tiro o chapéu… suas músicas escuto repetidas vezes.. suas letras... meu Deus… uma obra de arte… sou seu fã assumido você sabe associar o que aprendeu na vida e na escola em suas composições…


Resumindo:
Estas organizações como a Bang, DXS, etc. mostram que estão somente à caça de “Money, Power and fame” e nem ligam para a sociedade, não tem nenhuma responsabilidade social; digam-me amigos Onde irei criar e educar meus filhos?

É necessário que saibamos que todos nós estamos condenados a formar famílias num ambiente em que o ridículo e o absurdo estão na moda, o poder vale mais que a própria humanidade, é um verdadeiro salve-se quem puder cultural.

Se concordas com o que eu disse, repasse esta mensagem a todos seus amigos de modo a minimizar o impacto destes actos de terrorismo explícito!

Esta mensagem está sujeita aos termos de uso disponíveis em http://www.vm.co.mz/pt/e_mail


**Recebido Por e-mail

3 comentários:

Venus disse...

Adorei este artigo.
Principalmente da parte introdutória que não aparece aqui no blog.
Eu posso considerar-me uma pessoa de bom ouvido.
Realmente, na minha casa, não tem CDs desta dita nova música.
Continuo a ouvir a velha guarda.
Weel Done!!!

Diva disse...

Não pude deixar de comentar a este teu post meu malandro favorito. Li atentamente tudo o que aqui foi escrito, encontrei retalhos do que é a realidade musical (e não só) do nosso belo e pobre país. Tão permissivo e por isso tão abusivo.
Um misto de perconceito minimista e castrador se abate no “olhar” de quem escreveu este e-mail. Acho que o nosso país é suficientemente “adulto” para aceitar no seu espaço cultural uma enorme diversidade de ritmos, sons, vozes e composições de quem se propoe a traze-las a público (sejam eles “prostituidos” como aqui se refere ou “puros”). Somos livres de gostar, ou não. Somos livres de aceitar ou não.
Este e-mail coloca rótulos a estes e aqueles... acho isso pouco correcto (ponto de vista pessoal). Isso sim, é feio e limitador. Cada um é o que é.Em vez de criticarmos negativamente, porque não ousar em propor alternativas? Por que não parar de procurar encontrar a tão ansiada “arte castradora” do qual não a reconheço como arte? Já dizia Kant que a arte é uma manifestação com uma finalidade sem fim.... sendo assim porque impor limites ao que nasce livre como é o caso do tipo de arte aqui referenciada?
Vamos lá curtir e deixar curtir... Tanto problema maior e estamos aqui preocupados com a indumentária da Bling e os charutos do Mc. Eles estão a viver e a vender Cds, mesmo assim hehehe. Que tal tentarmos fazer o mesmo?
Bjs meus

sltuning disse...

Alô,

vejo que existem pessoas realmente atentas aos abusos dos nossos artistas. Concordo plenamente com este artigo que é o resumo dos espectáculos e a procura de fama abusiva. Como diz o velho ditado "Deus da nozes a quem não tem dentes".
Estou contigo em cada frase deste artigo...vamos lutar para os nossos filhos possam crescer num ambiente menos poluído e erótico.

Abraço
Edson sltuning.almeida@gmail.com