19 agosto 2008

Simpatia para ser vadia

...Deves sentir que se conseguisses ser diferente, que se as tuas pernas abrissem com menos hesitações, serias mais feliz. Talvez se passasses a usar lentes de contacto, quem sabe? Talvez se mudasses a cor do batom.

Assim como até hoje não conseguiste ver graça na vida que levas, aquela vida insossa regrada por preconceitos que la, em casa, colocaram na tua cabeça desde cedo, também a vida com que sonhas está começar de maneira errada. Porque para ser vadia não precisarias de macumba, não precisaria que Mãe Gorete de Oxum tire o teu dinheiro para te dizer o óbvio.

Para ser vadia ninguém precisa da ajuda dos orixás, não precisas de banhos de ervas nem de ebós na encruzilhada, não precisas sequer da pombagira. Para ser vadia, vadia de verdade, daquelas que as senhoras de Santana olham com nariz torcido, tu precisas fazer apenas uma coisa: dar!!!

Portanto dê, minha filha. Dê muito. Dê o quanto quiseres: sentada, deitada, em pé, de ponta-cabeça. Dê com a mão na cabeça para não perder o juízo.

Mas simplesmente dar não caracteriza ninguém como vadia. No máximo ficas com fama de promiscua, o que se resolve quando se acha um inocente que se case com contigo... Como o teu marido!

Para ser uma vadia, mesmo, tu precisas apenas misturar prazer e negócios. Precisas de conscientizar que teu capital de giro está entre as tuas pernas.

Isso não quer dizer cobrar pelo que dás, porque então não serias vadia, mas sim uma putinha. Há uma diferença; talvez pequena, mas há.

Uma verdadeira vadia funciona em função de presentes. Não pagamentos, repito: mas presentes, vantagens, agrados. No entanto, diferente das prostitutas que batem estrada, tu não dás para receber presentes; tu recebes presentes por dar. Há uma troca, claro, mas enquanto prostituição é uma profissão, o ser vadia é só um modo de vida.

Portanto, minha querida moça cheia de dúvidas, esqueça essa conversa de macumba. Um copo com água deixado de lado por sete dias só vai lhe trazer mosquitos da malaria agora que o verão vai começar; um despacho só vai lhe custar o dinheiro que seria melhor aproveitado em um conjunto de lingerie tão provocante que ultrapassa o limite do bom gosto.

Deixe a macumba de lado. A não ser, claro, que uma de tuas fantasias seja dar em um terreiro ao som dos atabaques que imploram a descida de Oxum. Em vez disso, lembre-se de Chico Buarque:

"Se acaso me quiseres
Sou dessas mulheres
Que só dizem sim
Por uma coisa à toa
Uma noitada boa
Um cinema, um botequim…

1 comentário:

Diva disse...

Bem tirada!!! Gramei do post!!! E nem me perguntem pk lol.
Bjs meus