31 outubro 2007

Cabora-Bassa: o que significa ser nossa?

O chefe de Estado, Armando Guebuza, garantiu hoje que Moçambique vai pagar até 31 de Dezembro o montante em falta (700 milhões de dólares) para que a barragem de Cabora-Bassa seja definitivamente moçambicana (Rádio Moçambique, noticiário das 15 horas). Já anteriormente o ministro da Indústria e Energia, Salvador Namburete, tinha sido definitivo: "Cahora Bassa vai ficar com os moçambicanos e falta pouco. Nós temos o compromisso de pagar ao governo português até ao dia 31 de Dezembro deste ano e esta dívida será liquidada em breve." Mas quem deverá saldar a dívida é um consórcio bancário formado pelos bancos Calyon (francês) e o BPI (português), vencedores de um concurso público aberto pelo governo moçambicano. Eis, então, a pergunta da santa ingenuidade: se é um consórcio bancário que deverá saldar a dívida e partindo do pressuposto sensato de que os bancos não são agências de caridade, o que significa exactamente sustentar que Cabora-Bassa vai ser nossa?

1 comentário:

Anónimo disse...

este governo e 1 bela puta,nem seker tem a dignidade de nos dizer a verdade,porra...li 1 artigo no jornal o pais e fikei parvo com a~s tamanhas mentiras k nos sao contadas a toda hora....
Caralho...ate onde vamos chegar.
pajo