10 agosto 2006

Poema pra mim...

Agora eu quero ir para longe.
Alguma cama.
E uma estrada para contar piadas.

Quero ser um simples monge.
Ter uma mucama.
Ser abanado por mulheres dadas.

Inventar um novo ponche.
Ter alguma fama.
Correr feito criança mal-criada.

Conhecer da água a fonte.
Brincar com lama.
Tomar atitudes mal pensadas.

Mas se nada disso for possível,
faça de mim algo não-perecível.
Porque vou demorar a criar jeito
e aceitar placidamente o que for feito
dessa minha vida de verbo sem sujeito.

Sem comentários: