12 maio 2006

Para minha Alma Gémea

Tudo foi brincadeira, tudo que falamos, tudo que imaginamos, tudo que faríamos se não fosse uma brincadeira.

Quando eu disse que podia, quando eu disse que queria, quando eu disse o que sentia por ti.

Tudo foi brincadeira, eu aceito que foi brincadeira, menti que era brincadeira, porque tu perguntaste se estava falar sério e, desacreditaste do que eu disse no exacto momento em que eu mais acreditava, no momento em que iria expor que te amava, no momento em que eu aprendia a confiar. Antes de levar o fora, EU DEI-ME UM FORA A MIM MESMO...

Tudo foi brincadeira, eu esclareci, eu me arrependi, eu disfarcei para me proteger, para não me diminuir, fechei-me em copas e ninguém mais decifrou os meus sentimentos. Fracassei, mais uma vez, na minha esperança. Fiquei, mais uma vez, com a minha reputação de sacana, cabrão, ordinário, e tudo mais...

Aceitei o riso a contra gosto...

Aquilo doeu, doeu em mim por não ter sido o homem certo para ti, naquele momento e, tentei não mostrar que estava sangrar. Segui caminhando com a cabeça erguida até o fim da cicatriz.

Tudo foi brincadeira porque gozaste da possibilidade do amor e eu me acovardei e calcei novamente os sapatos e me vi nu enquanto tu ias...

Tudo foi brincadeira, a nossa infância sentados no teu portão de ferro à sonharmos, a fome esquecida para ficarmos mais tempo juntos.

Tudo foi brincadeira, as confissões, a cumplicidade, a intimidade. O período em que fiávamos nossos segredos durante horas, que nos confessamos como nunca antes, que planejamos, que nos abrimos como amantes.

Tudo foi brincadeira, tudo será sempre uma brincadeira sádica, uma brincadeira cruel, quando apenas um dos dois estiver amando.

Conhecemos-nos à quinze anos e a treze que somos amantes e, aqui dentro és e serás sempre minha...!

Não te escondo que vou brincar, mas vou brincar pouco e, confesso que de hoje em diante vou brincar a rigor, com classe sem me espalhar porque mais do que nunca acredito que em breve estaremos juntos. O breve pode ser daqui há dois, três anos ou mais, não faz diferença...

Estou amar tua companhia todas estas noites e mais do que nunca sinto que nunca nos deviamos ter separado... Te gosto bué!

Beijo com amor

Sem comentários: