17 maio 2006

Minha alma gémea

Não há forma de explicar a paz que encontro nos teus braços, o amor que sinto nos teus beijos, a doçura que eu sinto ao ouvir a tua voz, a segurança quando me dás um abraço e/ou um beijo ou a energia que o teu olhar me transmite. É inimaginável, é inexplicável, mas é real. És tu, minha alma gémea! És prazerosa...!

Te gosto bué

Sem comentários: