03 setembro 2008

Pobreza Absoluta

A respeito do post do meu amigo Duma que, desde já, dou os meus parabéns pelas suas escritas e os demais escritos no seu espaço, venho dizer o seguinte:

Duma, vejo-te na televisão, quase todos os dias,em debates, entrevistas e contestações contra as "muitas" injustiças que este povo moçambicano e africano tem sofrido... Sim, porque para além de defenderes os oprimidos moçambicanos marchaste contra atrocidades do Mugabe e da xenofobia na África do sul... pena mesmo nao me teres convidado para te fazer companhia...

Mas meu amigo, eu sei que deves estar a seguir aquele velho ditado “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura” como que diz: um dia estes governos terao que mudar de postura e comportamento mas parece quereres o impossível quando afirmas que o governo deve actuar contra a pobreza em Mocambique. Decerto que a tua intenção é boa embora enuncias mal o sujeito da acção. O governo nunca poderá actuar contra a pobreza por uma razão filosófica muito simples: a pobreza nunca será vencida pela pobreza de espírito. É um paradoxo. Isto porque o resultado da pobreza de espírito será inevitavelmente e sempre a pobreza material. Uma coisa conduz à outra. Alimenta-se da outra. E é nesta espécie de círculo vicioso que nos encontramos.

Quando olhamos à nossa volta e vemos como os governos de outros países lidam com a crise internacional é que temos a noção da pobreza de espírito do nosso governo: toda a gente à nossa volta percebe que a saída da crise passa pela manutenção do poder de compra e do estímulo individual das economias internas... O nosso nhente!!! O nosso governo, no seu autismo arrogante, tem dificuldade em perceber o que quer que seja. Este governo que eu sempre digo: não gosta do seu povo, para não dizer algo pior, é o símbolo da pobreza absoluta deste país. Um povo vale por aqueles que elege para seus dirigentes e, meus amigos, neste momento Mocambique vale muito pouco.

Sem comentários: