06 junho 2007

O Galo


O galo, em geral, dedica a sua afeição a mais de uma fêmea, nunca as abandona, segue-as de dia, à noite acompanha-as à habitação comum, convida-as a sair de manhã, protege-as e sossega as dissensões; não toca no alimento espalhado pelo pátio sem ver se primeiro se servem as companheiras; nem lhe custam as privações, se conhece que são úteis à reunião de amigas que o cercam. Sabe agradar e ao mesmo tempo exercer o seu sentimento de poderio sobre as suas fêmeas, atacando o seu rival, a quem desafia a combate, e patenteia todos os recursos de valor e de vingança.

in FERREIRA, Bento Alvares (1870) Bibliotheca da gente do campo, obra utilíssima a todas as classes da sociedade e especialmente destinada a difundir os conhecimentos teóricos e práticos aos que se dedicam à vida do campo
Coimbra: Imprensa da Universidade, pág. 263.

2 comentários:

São Rosas disse...

Estes excertos de livros antigos postos no blog porcalhoto pelos Manos Metralha São um mimo, não São?

Cl@]\[d€$Ti]\[®™ disse...

ah se são... São de facto uma relíquia! Agradeço-te por postares e eu sempre que posso aproveito um e outro.

bjos