15 novembro 2006

AUTO DE FÉ


Não me arrependo dos amores que tive
Dos corpos de mulheres por quem passei
A todas fui infiel, a seu tempo
A todas eu amei.

Não me arrependo dos dias e das noites
Em que o meu corpo herói ganhou batalhas

A um palmo do umbigo eu fui primeiro
O divino
O pila ponta de diamante
O verdadeiro Homem - sem rival

Amei tantas mulheres de quem, hoje, nem sei o nome
Eu só me lembro apenas
De abraços
De mamas
De beijos
E orgasmos

E no amor que dei
E no amor que tive
Eu fui todo Homem - fui vertical.

Eu fui Homem em espanto
Fui Homem em êxtase
Fui o canto proibido e solitário

Só tenho um itinerário Sexo-Gaja.



Adaptado da Manuela Amaral

Sem comentários: