25 janeiro 2006

Odalisca



Ela sonha ter mais do que podia ter
Embriagada nas ondas do prazer
A boca é vinho tinto
As mãos são de absinto
E a cintura dela é a estrela por nascer
Escultura moldada pelas mãos de Deus
Sepultura dos que disseram adeus
O rosto é uma pintura
E os homens são molduras vazias
Que ela pode preencher

Por amor, a gente se transforma em São João Batista
Ao negar Salomé
De paixão, a gente faz proezas de malabarista
Fazendo até o que não quer

Odalisca
Artista da imaginação
Tão promíscua no harém do coração...
A cada um que pede
Promete conceder
Mas recusa
Que a musa engana sem querer

Sem comentários: